PROGRAMA ENCONTRO REAL COM DEUS

 

O programa Encontro real com Deus ,vai ao ar na Rádio Fronteira Am 960,todos os sábados ,e tem como objetivo levar a palavra de Deus e um pouco de entretenimento ao povo Dele .Esta na direção da Igreja Quadrangular Independente de Corumbá ,MS ,no comando do Pastor Luiz França e Equipe,participe conosco teremos o prazer de atende-los .

fone :(67)3232-8080

face:www.facebook.com/programaencontroreal/

 

 

 

 

programa incont.jpg

Palavras de Zhao Xia, esposa do pastor chinês Li de Xian

zhao_xia

“Não tenham dó dos cristãos da China. Pelo menos as perseguições nos mantêm alertas para o fato de que estamos numa guerra espiritual. Sabemos para quem estamos lutando. Também sabemos quem é o inimigo. E lutamos todos os dias. Por isso, talvez sejamos nós os Cristãos da China, que devamos orar pelos cristãos dos países livres, pois, ás vezes, com tanta diversão, tecnologia, facilidades e liberdade, muitos já não consigam perceber a guerra espiritual que os cerca. Penso que a perseguição é o segredo que ao mesmo tempo explica o crescimento das nossas igrejas e a estagnação do evangelho em vários países que possuem a liberdade religiosa. ESTAMOS LIVRES NO MEIO DA PERSEGUIÇÃO, AO PASSO QUE, FORA DA CHINA, MUITOS CRISTÃOS ESTÃO PRESOS NO MEIO DE TANTA LIBERDADE.”

Ministério Betel Casa de Deus

O Ministério Betel Casa de Deus nasceu no coração de Deus dando uma visão ao nosso amado pastor Luiz França que sempre nos apoiou e incentivou a crescer na musica.
Desde o ano de 2006 na cidade de Ladário quando 03 Jovens da Igreja começaram a aprender musica para louvar na igreja (Camila , Isac e Rodrigo) e surgiu o desejo de criar também um ministério de louvor que iria ser a diferença em nossa cidade.
Desde então começamos nos aperfeiçoar na musica e em composições próprias e Deus foi nos honrando.
No ano de 2011 nos mudamos para a cidade vizinha Corumbá e ai Deus nos honrou mas ainda, nos dando a oportunidade de ministrar em eventos com até 5 mil pessoas dentro de nossa cidade e em outras cidades do estado também. Ja participamos de festivais em Corumbá, Ladário e Campo Grande e Deus sempre nos honrou com premiações.
Nosso Objetivo e chegar mais longe e sabemos que isso se tornará realidade, hoje temos 5 musicas de nossa autoria gravada ,ja finalizando a 6 ,para lançarmos o nosso primeira EP, no inicio do ano de 2017
Deus tem feito grande obras através desse ministério e sei que vai continuar a fazer , só temos que buscar um verdadeiro Encontro Real com Deus (como diz nosso primeira musica) e Ele nos Honrará através da sua palavra.

links das músicas :

Os amuletos e a Fé Cristã

 Reverendo Milton Santana

Do Dicionário Aurélio:  AMULETO  é  “pequeno objeto (figura, medalha, figa, etc.) que, desde a mais alta antiguidade,  alguém traz consigo  ou guarda  por acreditar  em seu poder mágico passivo de afastar desgraças ou malefícios”;   FETICHE é  “objeto animado ou inanimado, feito pelo homem ou produzido pela natureza,  ao qual se atribui poder sobrenatural e se presta  culto”; SUPERSTIÇÃO é “sentimento religioso baseado  no temor ou na ignorância, e que induz ao conhecimento de falsos  deveres, ao receio de coisas fantásticas e à confiança em coisas ineficazes”. A  Enciclopédia Britânica diz que  AMULETO é    ”designação genérica de diferentes objetos aos quais se atribui a virtude mágica de guardar ou proteger quem o porta. Usados  tradicionalmente para afastar o azar e trazer sorte”. SUPERSTIÇÃO – “É uma atitude de espírito, crença ou prática  mágico- religiosa para as quais não há explicação lógica e que se baseiam na convicção de que certos atos, palavras, números  ou objetos trazem males, benefícios, azar ou sorte. As superstições, de modo geral, podem ser classificadas como religiosas,  culturais e pessoais”.
Dentre os diversos tipos de amuletos (olho de boto ou do peixe-boi; a ferradura, a meia-lua, a estrela-de-davi) a figa é o que  alcançou maior popularidade. Usada para combater a esterilidade e o mau-olhado, é representada por uma mão humana  fechada com o polegar entre os dedos indicador e médio.  Enfim, amuleto é uma figura, medalha ou qualquer objeto portátil,  qualquer coisa a que supersticiosamente se atribui virtude sobrenatural para livrar seu portador de males materiais e  espirituais, e para propiciar benefícios nessas áreas.
Ao aceitarmos o senhorio de Jesus, recebemos o Espírito Santo (1Cor. 6:19 – Efésios 1:13); nossos pecados são perdoados  (Atos 10:43 – Rm 4:6-8);  somos  recebidos como filhos de Deus (JO. 1:12); se somos filhos, logo somos também herdeiros de  Deus e co-herdeiros de Cristo (Rm. 8:17);  passamos da morte espiritual para a vida espiritual (1 Jo 3:14);   somos novas  criaturas (2 Co 5:17);  o diabo se afasta e não nos toca (Tg 4:7; 1 Jo 5:18);  não estamos mais sujeitos às maldições (Jo 8:32,  36);   podemos usar o nome de Jesus para curar enfermos e expulsar demônios (Mc 16:17-18); a salvação nos leva a um  relacionamento pessoal com nosso Pai e com Jesus como Senhor e Salvador (Mt 6:9; Jo 14:18-23);  estamos livres da ira  vindoura (Rm 5:9; 1 Ts 1:10; 4:16-17; Ap 3:10),  além de  outras bênçãos.
Em razão disso,  somente o retorno voluntário ao pecado poderá alterar a nossa situação diante de Deus (Jo 15:6).  O uso de  qualquer objeto, seja no corpo, seja em nossa casa, não melhora em nada a nossa condição de filho, de herdeiro, de abençoado,  de isento das investidas do diabo.  Objetos não  expulsam demônios, não quebram maldições, não substituem o poderoso nome  de Jesus.
O nome de Jesus não pode ser substituído por um objeto ou um produto industrializado. O uso de amuletos evidencia não uma  atitude de fé, mas de falta de fé.   Deus não opera por esse meio, sejam cordões, pulseiras, pirâmides, cristais, velas ou  qualquer outro produto. A Bíblia não apóia   tal prática.    A  atitude de fé é o esperarmos no Senhor e  Nele confiarmos.    Alegremo-nos  no Senhor e Ele nos concederá os desejos do nosso coração  (Salmos 23:1; 37:4-7).
A nossa confiança deve ser depositada no Senhor. “Bem-aventurado o homem que Poe no Senhor a sua confiança” (Sl 40:4).     Se dividirmos a nossa fé entre Deus e os amuletos estaremos coxeando entre dois pensamentos. Não é esta uma  manifestação  de fé, mas  de incredulidade, de dúvida nas promessas de Deus. E a dúvida é inimiga da fé (Mt 21:21). “Abraão   não duvidou da promessa de Deus, deixando-se levar pela incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando glória a Deus,  estando certíssimo de que o que ele tinha prometido também era poderoso para cumprir”  (Rm 4:20-21).  Abraão creu na  promessa  de que seria pai de muitas nações. Aguardou confiantemente. Não apelou para objetos, amuletos, cordão, pulseiras,  vassoura atrás da porta.
Os amuletos, longe de serem veículos de bênçãos, podem trazer maldições, porque a fé não está centralizada  exclusivamente  em  Deus.  Podemos ler Isaías 31:1 assim:  “Ai dos que confiam no poder místico dos amuletos, mas não atentam para o Santo  de Israel, nem buscam ao Senhor”. O uso de amuletos pelo povo de Deus equivale a tomar o caminho de volta para o Egito.   As nossas superstições foram deixadas no esquecimento. Não precisamos limpar nossos olhos  com óleo ungido para não  vermos as coisas do mundo. Pela ação do Espírito em nossas vidas, já morremos para essas coisas, para o sistema mundano,  para o pecado. O Espírito que em nós opera não nos permite colocar coisas impuras diante de nossos olhos (Salmos 101:3).
Os objetos, ou qualquer tipo de material seja sólido ou líquido, do reino mineral ou do reino vegetal, não servem para  aumentar a fé dos cristãos. O que transmite fé, o que proporciona  fé, o que dá origem  à fé, é a palavra de Deus  (Rm 10:17).     Jesus não distribuiu qualquer tipo de objeto  para melhorar a fé de seus ouvintes. Nos primeiros passos da Igreja, vemos  Pedro e demais apóstolos anunciando insistentemente o Cristo vivo, e falando com paciência dos mistérios de Deus e das  palavras de Jesus. E todos se enchiam de alegria, e milhares aceitavam o Evangelho. “Disse-lhes Pedro: arrependei-vos, e  cada um seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados. E os que com grado receberam a sua palavra foram  batizados, e naquele dia agregaram-se quase três mil almas” (Atos 2:38-41).
O uso de  amuletos é incompatível com a vida cristã e    não proporciona prosperidade material ou espiritual a ninguém.    Quem deseja viver uma vida de paz e de abundância deve buscar  “primeiro o reino de Deus e a Sua justiça, e todas estas  coisas vos serão acrescentadas” (Sl 37:25; Mt 6:33; Mc 10:29-30; Lc 12:31; Jo 10:10).  Para viver a sua fé o cristão não  precisa de figas, de cordão de ouro, varinha mágica, porque as maldições não prevalecem contra  nossas vidas. “Como o  pássaro no seu vaguear, como a andorinha no seu vôo, assim a maldição sem causa não encontra repouso” (Pv 26:2). A  maldição nos alcança se não estivermos sob a proteção de Deus, se não confiarmos Nele, se estivermos em pecado.
A fé cristã rejeita o uso de qualquer objeto com o propósito de obter favores espirituais ou evitar a influência demoníaca.   Do  Egito já viemos.  Das superstições já nos libertamos. Do jugo do opressor já estamos livres.  Da Babilônia espiritual já  saímos.  Cristo quebrou na cruz todas as  amarras,  grilhões,  embaraços; quebrou  os fortes laços que nos prendiam ao mundo  das trevas  (Gl 3:13). Um irmão escreveu num fórum de debate:  “Deus nos fez livres, livres de contatos físicos para O sentir,  livres de pontos de apoio, para crer, livres de toda e qualquer espécie de superstição e amuletos, livres para crer num Deus  que tudo supre, tudo faz, tudo opera naqueles que o amam”.
Quando estávamos na ignorância espiritual, fazíamos uso de incensos e defumadores para afastar os maus espíritos. A Bíblia  nos dá a receita: “Submetei-vos, pois a Deus. Resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg 4:7).
Cristo nos libertou para que sejamos de fato livres. “Estai, pois, firmes e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da  escravidão” (Gl 5:1).
A superstição é de origem pagã e mística que na obscuridade espiritual foi introduzida na fé cristã degenerada como forma de  atrair e ludibriar a fé das pessoas dos favores divinos de forma fácil pelos líderes religiosos que levaram à incredulidade e  rejeição do nome de Cristo como prescreve o evangelho e a fé que uma vez foi dada aos santos, ou seja, aos remidos pelo  poder do sangue de Cristo vertido na cruz do calvário. As práticas sempre leva a uma busca de vantagens financeiras para o  grupo religioso que a introduz. A história nos revela que se introduziu na fé cristã degenerada pelo catolicismo romano na  idade média com a venda das indulgências, a qual, pelo poder aquisitivo dos mais ricos podiam confortavelmente garantir via  igreja um lugar no céu, a introdução ao culto à Maria mãe de Jesus, a cultuação aos mortos que deu origem à doutrina espírita  que é uma AUTO NEGAÇÃO da obra realizada por Cristo no calvário para a remissão do pecador. E outras práticas  veemente repelidas pelo evangelho de Cristo e pela Palavra de Deus tanto no Velho quanto no Novo Testamento. Muitos dos  seguimentos hoje ditos evangélicos herdaram tais práticas por invenções de homens que nunca tiveram compromissos com o  evangelho de Cristo e com as almas que são preciosas diante do Senhor Deus Criador dos céus e da terra e que nos amou de  tal maneira que nos deu seu filho único, Jesus Cristo, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna  (Evang.João 3:16).  Embora haja pelas palavras, a rejeição das práticas ocultistas e idolatras na aceitação todos são incluídos  nas mesmas condições, mesmo tendo uma Bíblia nas mãos e declarando nela crer, pois, Deus não é Deus de confusão.   Cuidado: Você poderá estar sendo uma vítima da decadência espiritual, e sem esperança de salvação da sua alma, que tão  somente, o nome do Senhor Jesus Cristo pode te perdoar, salvar, curar e libertar de todos os males.

Doação ou violação de órgãos? O OUTRO LADO DA MOEDA!

OBSERVAÇÃO: ESTA MATÉRIA FOI PUBLICADA EM AGOSTO DE 1997.
 

Reverendo Milton Santana

No período de 13 a 19 de julho de 1997 o Jornal Ponto Final de n° 18 traz a matéria: “Transplante é assunto polêmico”, trazendo a opinião médica – que diverge a opinião religiosa, que como não deveria de ser, também é divergente, pois, as teologias, ou seja, estudo ou conceito de Deus é divergente, contudo, temos uma fonte única e real que é a PALAVRA DE DEUS, a Bíblia, que instrui e difere todas as dúvidas, inclusive, é a boa ciência, quem  confirma a sua veracidade.

À primeira vista, a doação de um órgão para uma pessoa necessitada é um gesto humanitário de amor, contudo, não podemos atender somente a este lado, ou seja, precisamos olhar o outro lado da moeda.

A medicina – arte e ciência de curar ou atender as doenças; diverge no ponto que fundamenta a própria Palavra de Deus e a própria lei que regulamenta a doação de órgãos, a de n° 9.434 de 4 de fevereiro de 1997 – que conforme a lei, criada em 1991 pelo Conselho Federal de medicina, a qual, declara e reconhece a morte encefálica, como a extinção do indivíduo, ou melhor, o considera morto através do conceito de cérebro parado, conceito, como já citamos, é divergente, a ponto de se propor aos próprios estudantes de medicina e de enfermagem, a educá-los neste conceito, para que seja sanada esta grande divergência da classe médica com a palavra de Deus.

Aqueles que participam desta prática, sentem-se incomodados e acusados, visto que, no seu íntimo, existe um debate com a própria consciência da legalidade do ato praticado.

A Palavra de Deus contesta o conceito da medicina e a própria lei recém-decretada pelo excelentíssimo Sr. Presidente da República. Dr. Fernando Henrique Cardoso, que sempre se declarou ateu. Difícil talvez até de aceitar, quando no livro de Provérbios capítulo 4, versículo 23 diz: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procede as fontes da vida”. Fico com a Palavra de Deus, pois, aproximadamente 93 passagens bíblicas fazem referência à importância do coração,  o próprio Cristo, num conforto aos seus discípulos, como registra o Evangelho de João capítulo 14, versículo1, declara: “não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim”.

A condicional para o transplante é que o coração esteja batendo para a retirada dos órgãos sólidos como: coração, rins e fígado. Assim, é a confirmação que a Palavra de Deus é a verdade.

Ademais, sabemos que muitas pessoas declaradas clinicamente mortas, foram posteriormente encontradas em posição diferente da que foi sepultada, pois, a morte continua sendo um mistério, assim sendo, a medicina e a própria lei que se explique. Além de tudo, alerta de primeira página, que enfatiza o referido jornal, a declaração do médico, nefrologista, entrevistado, Álvaro Ianhez, que quem não quiser ser doador, terá até o final do ano para se manifestar através de delegacia de polícia, para registro em seu documento que não será doador.

Outra violação sem precedentes! Como dizia o ex-presidente Getúlio Vargas: – A Lei? Ora, a Lei!

Contudo, parece que se esquecem que estamos em um regime democrático, e a referida lei viola a Constituição no que tange à liberdade de expressão e direitos humanos. É o momento da Ordem dos Advogados do Brasil se manifestar em defesa dos direitos constitucionais  e do cidadão.

Parece que o desejo político se enfatiza em deturpação dos direitos já adquiridos, sendo lamentável em todos os aspectos.
Entendo, que a doação de órgãos, é e deve ser condicionada a cada indivíduo, livremente, sem coação e compete ao governo e a classe médica interessada, realizar trabalho no sentido de esclarecer e respeitar a opinião de cada indivíduo.

A Lei n° 9.434 é falha, pois, o governo não garante aos menos favorecidos, economicamente, que também tenha garantidos o direito a um transplante de órgãos sem nenhum ônus.

Os hospitais e os médicos envolvidos em transplante de órgãos, serão sem dúvida os grandes beneficiários, pois, para este tipo de implante precisaríamos ter uma legislação específica em termos de remuneração médica e hospitalar, incluindo também os menos favorecidos.

Da forma brusca e violenta, se quer legalizar a doação de órgãos, é um caminho perigoso para, até mesmo, devido ao excesso de Orgãos, partirmos para a comercialização e exportação dos mesmos. Neste Brasil, sem Deus, sem Cristo, tudo é possível acontecer. O povo brasileiro é amoroso e prestativo, prova disso é que, em qualquer parte do mundo, onde houver um brasileiro, é bem aceito e alvo de atenção, pois, é notoriamente carismático.

A questão de órgãos, é apenas uma das muitas necessidades do povo brasileiro.

Quantos estão adoecendo e morrendo de fome, por falta de uma política de libertação dos ricos, de terras ociosas e retirar dos grandes centros urbanos aqueles que poderiam trabalhar a terra em parceria com o governo que lhes proporcionaria máquinas para o trabalho em tipo cooperativas e garantindo o financiamento e um preço mínimo para os produtos da terra.

O trabalho enobrece e enriquece o homem, resolvendo desta forma, muitos problemas sociais, tais como: prostituição infantil, violência de menores, menores infratores, lares desfeitos na desestabilização da família, esvaziamento das prisões, a redução da criminalidade, redução do analfabetismo, enfim: uma lista infinita de benefícios. Você sabia que 75% das terras cultiváveis brasileiras nunca viram uma semente?

É fácil resolver o problema brasileiro! Basta aceitar a Jesus como Senhor e Salvador da vida e teremos uma nação abençoada!

Doação de órgãos, somente respeitando  o livre arbítrio, ou seja, liberdade de cada cidadão. É PRECISO DEBATER A QUESTÃO.

Hoje, passados quase 19 anos da publicação desta matéria, qual a opinião e conclusão do leitor a respeito?

Cristãos lutam pelo fim da escravidão e da exploração sexual

A International Justice Mission (IJM) é a maior ONG contra escravidão do mundo. Embora seja pouco divulgada, seus idealizadores são cristãos que lutam pela liberdade para todos os seres humanos.

Eles seguem uma antiga tradição, uma vez que desde o início da Igreja, a mensagem do evangelho serviu para mudar o Império Romano de dentro para fora, mudando a perspectiva que se tinha sobre a escravidão.

Durante séculos, os cristãos lutaram por causas sociais, como no século 19, quando um movimento liderado por evangélicos como William Wilberforce, ajudou a extinguir a escravidão institucionalizada pelas nações.

Infelizmente, em pleno século 21 esse é um problema que parece longe do fim. O Índice de escravidão global, divulgado no início do ano, aponta que há mais de 45 milhões de pessoas em condições análogas à de escravos. Estima-se que o Brasil tenha 161 mil pessoas vivendo dessa maneira.

Visando despertar a Igreja ao seu papel na proteção dos indivíduos, comunidades e nações inteiras da violência, a International Justice Mission (IJM) reuniu advogados e lobistas cristãos de vários países e luta em diferentes fronts.

Entre elas, a luta contra o tráfico sexual, a violência policial, os abusos contra os direitos de cidadania, apropriação de propriedade e a violência sexual.

Paul Villeda, um ex-professor de Direito na Guatemala, hoje trabalha para IJM em Washington como chefe regional para a América Latina. Ele denunciou recentemente que um dos maiores empecilhos para se eliminar muitos desses problemas é a simples “falta de vontade política”, aliada a morosidade do sistema judiciário na maioria dos países.

Villeda assegura: “Se houve algo que Jesus nos deu o exemplo para, em seguida, nos convidar a fazer, é abandonar nossa zona de segurança e de conforto. Em muitos países o cristianismo é algo aceito, já faz parte da cultura. O que Jesus deseja que façamos é abandonar o comodismo e agir em favor daqueles que sofrem com a violência doméstica e a escravidão sexual. Devemos levantar nossa voz em favor daqueles que não têm voz”.

Voz profética

A IJM defende o fim das injustiças sociais como um todo. “A violência afeta a vida real. Na Bíblia temos histórias de pessoas reais que estavam quebradas, desesperadas”, lembra Villeda.

“Mas em seguida elas têm suas vidas transformadas. Na IJM servimos as pessoas e é muito bonito ver suas vidas serem transformadas. Após serem livres do medo e da violência, elas podem ser que Deus pretendia que elas fossem.”

Abraham George, um advogado que também é pastor ordenado pela Assembleia de Deus, serve como Diretor Internacional de Mobilização Junto À Igreja em IJM, explica que a IJM busca trabalhar em conjunto com as comunidades locais.

Esta semana, centenas de advogados da IJM e outros cristãos que lutam pelo o fim da violência e da injustiça em todo o mundo se reuniram em Londres para a sua conferência anual de oração. Um dos aspectos mais destacados é como organização continua dependente de orações e da ajuda de Deus para realizar o seu trabalho.

Por exemplo, em 2016 a IJM ajudou a resgatar 564 homens, mulheres e crianças do trabalho escravo na Índia. Mas George aponta a pornografia infantil como um dos problemas que mais cresce no mundo. A IJM recentemente participou do processo que libertou 23 crianças que eram exploradas sexualmente nas Filipinas.

“Uma das coisas que todos podem fazer é orar sobre isso. Muitas vezes isso não é visto como algo significativo, mas eu acredito que a oração para que estas crianças sejam resgatadas é fundamental. Todos nós podemos ser uma voz profética de transformação onde convivemos, influenciando o local onde trabalhamos ou estudamos”, encerra. Com informações Christian Today

Fonte: Gospel Prime

Morre Fidel Castro, ditador que tratava cristãos como criminosos

Fidel Castro morreu, aos 90 anos de idade, na noite desta sexta-feira, 25 de novembro. O anúncio foi dado em cadeia nacional da TV cubana pelo seu irmão Raúl Castro, atual presidente da ilha.

O líder da Revolução que transformou Cuba no primeiro país comunista das Américas, influenciou o pensamento de vários líderes do continente, apesar das amplas demonstrações que o regime não funciona.

A maior parte da mídia omite que ele foi um ditador, sendo presidente durante décadas sem nunca ter recebido um voto. Na Cuba dos irmãos Castro não há liberdade de imprensa e nem religiosa. Embora desde 2006 Fidel tenha abandonado a presidência, por problemas de saúde, continuava a frente do regime, como presidente do Conselho de Estado e do Conselho de Ministros.

Do ponto de vista da religião, a morte de Fidel não trata mudanças significativas, uma vez que o ideais do partido governante continuam os mesmos.

Perseguição religiosa

Em 1985, o escritor brasileiro Frei Betto entrevistou por mais de 23 horas o então presidente Fidel Castro. Isso resultou no livro “Fidel e a religião”, lançado em mais de 30 países e mostra como a religião sempre foi um problema dentro da visão comunista de poder.

Há fotos das guerrilha comandada por ele, onde Fidel aparece com um crucifixo no pescoço. Contudo, ao assumir o comando político da nação, mostrou a influência soviética e decretou que o Estado e o partido presidido por ele seriam oficialmente ateus.

Por causa disso, cristãos sempre foram impedidos de se filiar ao Partido Comunista e de exercer profissões como filósofo, psicólogo, professor. Segundo conta Frei Betto em seu livro, “desde 1959 Fidel não se considerava mais cristão”. Visitado pelos papas João Paulo II e Francisco, gostava de dizer que suas relações com o Vaticano eram “ótimas”. Sua morte foi lamentada pelo atual pontífice.

Se para o exterior Fidel tentava mostrar a imagem de tolerância religiosa, os cristãos sempre sofreram constantes perseguições do governo cubano por causa de sua fé. Desde 1969, por exemplo a produção e importação de Bíblias eram proibidas. Isso só voltou ao normal alguns meses atrás.

O pastor Mário Feliz Barroso, que mantém o blog cubanoconfesante.com relata alguns desses problemas. Pastores presos e igrejas sendo fechadas ou destruídas ainda são fatos corriqueiros. “A igreja cubana enfrenta grandes desafios desde o passado. Nos anos 60, por exemplo, o regime político vigente declarou guerra ao cristianismo, e literalmente declarou que a religião era a coisa mais danosa que podia existir debaixo do céu”, lembra. Explica ainda que o governo “colocou muitos cristãos em campos de concentração, denominados de Unidades Militares de Apoyo a la Producción (UMAP)”.

Mês passado, o pastor Juan Carlos Nuñez foi preso por faze cultos “ilegais”. Ele tenta recorrer, uma vez que não houve julgamento, mas segue na cadeia. “Nossa missão é pregar o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, e estamos sofrendo por essa causa”, desabafou Nuñez. Deixou claro que, em Cuba, na grande maioria, os cristãos são “tratados como criminosos e inimigos do governo”. “Somos filhos de Deus injustamente acusados e condenados”, lamenta.

Fonte: Gospel Prime